Ano Santo Mariano

terça-feira, 26 de junho de 2012


"Entre outros benefícios que temos recebido e ainda recebemos diariamente da generosidade do Pai de toda misericórdia (cf. 2Cor 1,3) e pelos quais mais temos que agradecer ao glorioso Pai de Cristo, está a nossa vocação que, quanto maior e mais perfeita, mais a Ele é devida. Por isso diz o Apóstolo: "Reconhece a tua vocação" (cf. 1Cor 1,26)" (Testamento de Santa Clara).

Nossas preces de modo todo especial no dia de hoje pelo nosso Bispo, Dom Mariano no dia de seu aniversário de Ordenação Presbiteral.

Suplicamos a intercessão de nossa Mãe Santa Clara neste Ano Jubilar Clariano e que estas bênçãos jubilares chegue a toda nossa Diocese.

Em louvor de Cristo e de Sua gloriosa Mãe!
Amém.

sábado, 23 de junho de 2012


Encontro Nacional da Vida Monástica e Contemplativa

Aparecida (SP), 16 a 19 de junho 2012

Religiosos e Religiosas deixam mensagem à Igreja e à sociedade

“Identidade, Mística e Missão”

Nossa pátria é o céu (Fl 3,20)

1. Reunidos em Aparecida, lugar privilegiado da manifestação da fé do povo brasileiro, e onde se pode sentir mais de perto a maternidade carinhosa de Maria, por iniciativa da Conferência dos Religiosos do Brasil e da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, com o incentivo e aprovação da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e Sociedades de Vida Apostólica, acolhidos calorosamente pela Igreja Local, expressamos nossa alegria e gratidão por esta oportunidade de comunhão e convívio fraterno, reflexão e partilha de experiências, oração e celebração, que nos foram proporcionados. Vemos em tudo isto a solicitude da Igreja para com nossas famílias religiosas.

2. Com o tema “identidade, mística e missão” e o lema “nossa pátria é o céu” (Fl 3,20), procuramos aprofundar a compreensão de que somos consagrados para responder ao olhar de amor do Senhor por todos nós: “não fostes vós que me escolhestes, fui eu que vos escolhi” (Jo 15,16). Somos gratos pelo chamado para a vida monástica e contemplativa, partilhado também por leigos que vivenciam nosso carisma na realidade secular. Reconhecemos que nossa fidelidade a Jesus exige sempre e de novo decisão e empenho, dimensões que marcam o povo de Deus que caminha na história, buscando corresponder à vida de cidadãos do céu (cf. Fl 3,20).

3. Empenhamo-nos por aprofundar a compreensão de nossa vocação particular na Igreja, nossa identidade, mística e missão; o sentido de pertença e fidelidade criativa à Tradição de nossas famílias religiosas, a conservação do próprio patrimônio espiritual, a comunhão como possibilidade de experiência real do amor vivido e sua celebração diária na liturgia; a dimensão comunitária da experiência de fé, a corresponsabilidade no que diz respeito ao “único necessário” (Lc 10,42), cientes de que “nossa pátria é o céu” (Fl 3,20). Desejamos conservar, alimentar e aprofundar o amor, a fidelidade e a devoção filial à Igreja, ao sucessor de Pedro, em comunhão com a Conferência dos Religiosos do Brasil (CRB) e a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Possamos, com a graça de Deus, receber a força de tornar visível pelo amor fraterno, a unidade da comunhão trinitária que nos abraça e abençoa. Reconhecemos humildemente a presença entre nós de atitudes contrárias às exigências do seguimento radical de Nosso Senhor Jesus Cristo (cf. Fl 3, 18-19). Mas também temos a certeza de que Deus escolhe instrumentos frágeis para testemunhar no mundo seu amor (cf. 1Cor 1, 27-28), e acreditamos que Sua misericórdia é grande (1Pd 1,3).

4. Somos desafiados no cotidiano pelas consequências da mudança de época em que nos encontramos. Isso faz com que os critérios de compreensão, os valores mais profundos, a partir dos quais se afirmam identidades e se estabelecem ações e relações entrem em crise. Sentimos tal realidade influenciando e desafiando nossa forma de vida. Desejamos, portanto, que nosso testemunho discreto e simples de amor vivido em todas as suas manifestações, possa ser resposta oferecida por nossas comunidades religiosas ao mundo. Em especial, com a Igreja, através da participação em seu mistério pascal e da ascese e da solicitude orante pela humanidade, suas necessidades e intenções, acolhendo as angústias e dores, as alegrias e esperanças dos homens e mulheres de nosso tempo.

5. Confiamos na força do amor (cf. Ct 8,6). Por isso, “com os olhos fixos em Jesus” (Hb 12,1), vislumbramos um futuro mais harmonioso nas relações entre hierarquia e carisma, dimensões constitutivas da Igreja. Incentivamos uma pedagogia de mútua apreciação, desde os seminários e casas de formação, até a criação de espaços de autêntico diálogo e mútua colaboração.

6. Renovamos nosso compromisso em testemunhar alegremente no silêncio da vida a força da fidelidade a nossos carismas. Por isso, entre expressões antigas e novas de vida monástica e contemplativa, assumimos o desafio de dar continuidade à experiência da gratuidade do amor e da comunhão entre nós e nossas famílias religiosas, vivida nestes dias em Aparecida. Propomo-nos favorecer e fomentar o caminho aqui iniciado, sob as bênçãos da Senhora Aparecida, pois, reconhecemos que da Igreja recebemos a fé e a consagração; e nela, com gratidão e alegria, nos consagramos ao Senhor sem reserva, característica dos adoradores que o Pai procura.

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Para a Vida Consagrada Monástica
e Contemplativa -
Aparecida (SP), 16 a 19 de junho 2012.

Aconteceu em Aparecida (SP) no Seminário Santo Afonso dos Missionários Redentoristas, o Encontro Nacional para a Vida Consagrada Monástica e Contemplativa.

Foi organizado por representantes da Vida Monástica e Contemplativa, pela CRB e CNBB com o tema “Nossa Pátria é o céu” (Fil 3,20). Vida Monástica e Contemplativa hoje - Identidade, Mística e Missão’. Participaram cerca de 200 religiosos e religiosas de vida monástica e contemplativa, inclusive as Clarissas.


Segundo Padre Deusmar Jesus da Silva, assessor na CNBB para os Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada o objetivo deste Encontro é proporcionar à Vida Religiosa Monástica e Contemplativa a oportunidade de conhecimento mútuo, de troca de experiência, de articulação e de aprofundamento de conteúdos relacionados a este estado de vida.


Esse encontro somente foi possível graças à aprovação e licença especial concedida às religiosas de clausura pelo Prefeito da Sagrada Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica, Dom João Braz de Aviz.

A abertura foi feita pelo Secretário Geral da CNBB, Dom Leonardo Steiner, OFM que conduziu o momento. Participaram da mesa o Prefeito da Sagrada Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica, Dom João Braz de Aviz, o Presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil e Arcebispo da arquidiocese de Aparecida, Dom Raimundo Damasceno, a Presidente da Conferência dos Religiosos do Brasil, Irmã Márian Ambrósio, o Presidente da Comissão para os Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada e arcebispo de Palmas, Dom Pedro Brito, o monge cisterciense e abade emérito da Abadia Nossa Senhora de Hardehausen, em Itaporanga, Dom Luiz Alberto Ruas Santos e a Abadessa beneditina do Mosteiro do Salvador, Madre Vera Lúcia Parreiras Horta.

Em sua fala, Dom Raimundo deu as boas-vindas aos participantes e manifestou a alegria em acolhê-los na Arquidiocese de Aparecida, destacando que a vida monástica e contemplativa é fundamental para a Igreja.: “A Igreja depende da oração e intercessão dos religiosos de vida monástica e contemplativa. Assim como a vida de Cristo em Nazaré, os contemplativos vivem no escondimento, na humildade, no silêncio de suas clausuras”.

O Cardeal Dom João Braz manifestou a satisfação de deixar Roma para estar neste encontro. “Estava ansioso por estar aqui. Sempre amei os religiosos. E em minha pessoa sintam-se abençoados pelo Santo Padre Bento XVI”, se expressou.

Para Dom João Braz, a Vida Religiosa deve manter vivo no cotidiano de sua existência alguns elementos fundamentais para a vivência da santidade: a experiência profunda do amor de Deus, a dimensão trinitária que nos inspira na vivencia da fraternidade com o outro, o diferente, o contexto atual e a obediência religiosa.

O encontro foi encerrado com a Celebração Eucarística às 11h, presidida pelo bispo auxiliar de Porto Alegre (RS), Dom Jaime Spengler, OFM.


Aos que desejarem mais informações click aqui.

segunda-feira, 4 de junho de 2012

sábado, 2 de junho de 2012


A conclusão do Encontro deu-se com a Santa Missa presidida pelo Frei Rafael, momento bonito e singular vivido por cada uma de nossas Irmãs.

Unidas a Mãe Santa Clara pelos 800 anos de sua consagração, as Irmãs renovaram os Santos Votos e os frades ofereceram a cada Irmã uma rosa branca.

Louvemos ao Pai das Misericórdias por Seu imenso amor que nos chamou, nos elegeu a tão sublime vocação e há oitocentos anos faz história conosco, história sagrada iniciada com nossos Pais Francisco e Clara.






Para mais detalhes de todo Encontro click aqui e confira no Site das Clarissas do Brasil.


Em louvor de Cristo!
Amém.

sexta-feira, 1 de junho de 2012


O Frei José Carlos, OFMCap concluiu a sua participação e na parte da tarde o Frei Rafael iniciou a apresentação do seu ofício junto a Santa Sé, o Ministro Geral e os Mosteiros.











Frei José Carlos com o Conselho da Federação
Tecnologia do Blogger.

Últimas Postagens